domingo, 13 de abril de 2008

Canção Mínima

No mistério do sem fim
equilibra-se um planeta.

E no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
e no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta.


Cecília Meireles

3 comentários:

Marília disse...

ai que fofo o poema da sua vó, Fê!
hahahaha

Gostay.

E quem disse que lidar com pessoas é fácil?
Viver é humanas.

fikdik

Tiago Faller disse...

Poema bonito a lot, menine!

Tiago Faller.

Steeh disse...

que bonito esse poema, num conhecia!
=D

beijao!