terça-feira, 21 de abril de 2009

Sobre ele

- Eu tenho pequenos surtos quando olho pra ele...
- Como assim?
- Não sei explicar bem... É como se ver o rosto dele me deixasse... feliz?
- Eu acho que sei como é.
- E daí eu sinto como se, naquele momento, ele me bastasse...
- Como se você não precisasse de mais nada?
- É.
- É uma das melhores coisas de sentir... Fico triste de pensar que pode ter quem nunca sinta isso, essa coisa de gostar de alguém...
- Verdade... Eu sei que é uma coisa boa de sentir... Mas normalmente é sempre meio sofrido...
- Ah, e daí? Eu acho que você deve aproveitar, e tentar fazer dar certo sempre!
- Falar é bem fácil... Ei...
- Fala...
- Você acha que uma história de amor só existe se, sei lá, acontece?
- Se só existe se virar real? Eu acho que sim. Pra mim, amor tem que ser compartilhado...
- Eu não acho. Acho, aliás, que muitas histórias de amor não viram reais por falta de palavras!
- Puts, isso é bem triste, e eu sei como é... As minhas histórias quase nunca acontecem porque eu tenho medo de mostrar o que eu tô sentindo...
- Mas e aí, o que você faz?
- Eu espero passar... Demora, mas passa. Tô acostumada...
- Eu não quero que isso aconteça comigo...
- Não vai acontecer, tenho certeza. Mesmo confusa, você está sentindo um monte de coisa bonita... Você tem sorte por isso...
- Será? Eu não sei...

10 comentários:

ali disse...

você não está se respeitando.

Joana Burd disse...

eu achei lindo
e mto verdadeiro

Viviane H. Laubé disse...

acho que só o fato de sentirmos algo no torna vencedoras.

Ana Luiza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Luiza disse...

"o Kramer apaixonou-se por uma corista que se chamava Olga. por algum motivo nunca conseguiam encontrar-se. ele gritava passando pela casa de Olga, manhãzinha (ela
dormia): Olga, Olga, hoje estou de folga! mas nunca se viam e penso que ele sabia que se efetivamente se deitasse com ela o sonho terminaria. sábio Kramer. nunca mais o vi. há sonhos que devem permanecer nas gavetas, nos cofres, trancados até o nosso fim. e por isso passíveis de serem sonhados a vida inteira." (Hilda Hilst)

Lidia Zuin disse...

achei bonitinho...

viver amores platônicos é divertido quando permanece em segredo. qnd transcende do segredo pro notório e sabido, se vc for reprovada, vira um pesadelo.

vc ter a liberdade de admirar o rosto de uma pessoa em segredo é bom, mas é melhor ainda quando você pode dizer, provar e mostrar à pessoa que vc faz isso. digo por experiência própria... eu me sentia feliz só de ver o matheus sorrindo, antes de namorarmos. hoje, eu digo pra ele que gosto de vê-lo sorrir, provo isso sorrindo junto e mostro que quero vê-lo sorrir fazendo algo idiota ou falando algo bonitinho.

resumindo: amores platônicos são de curta durabilidade saudável. vc tem que dizer, vc tem que transformar segredos em declarações, gestos virtuais em reais. se vc nao conseguir ser o agente ativo, pelo menos torne-se um passivo maquiavélico e force o outro a fazer o que vc quer :3 (eu sempre faço isso)

Hiorrana disse...

Tem uma música da Sandy & Junior[ eu sei, eles são bem infantis...]que fala: "Mas sei que posso te perder, pra alguém sem tanto amor mas sem temer falar".

É bem real.
Se não falr corre o risco e deixar passar. Tenta dar uma arriscadinha... Ao menos assim vc não corre o risco dele não fica sabendo e por isso perder a chance.

bjOoO

Ana disse...

concordo com a lidia.

amor platônico até certo ponto.

mas, acho que não há menina/garota/mulher que nunca teve uma paixonite que fosse fruto apenas do desejo dela.

Fê Meirelles disse...

ai gente, vocês são tão lindas

cravocanela disse...

Fê, uma garota como você não deve viver de amores platonicos
apesar de com certeza causar vários!

ter que calar um amor é a pior coisa do mundo, conviver com aquele silêncio desconfortável, aquelas borboletas, as pernas tremendo e a ânsia cada vez que o telefone toca
amores platônicos são uma merda,
te fazem largar empregos. só isso que digo.

amores platônicos, eu repudio!